terça-feira, 5 de janeiro de 2016

2015: Fim de Ano

2015 chegou ao fim de um jeito bastante inesperado para mim. Após 6 anos sem férias, esperei ansiosamente por um recesso de fim de ano. Consegui comprar de última hora passagens para passar alguns dias no Rio de Janeiro. Eu teria o Natal, a viagem e o Réveillon para aproveitar! Entretanto, o destino, cruel ao meu ver, me deixou doente antes de tudo isso. 
Foi tão frustrante! A garganta inflamou com tudo! Traqueíte, faringite e um pouco de rinite. Uma ida ao médico. Antiinflamatório, analgésicos. Tosse quase tuberculosa. Um Rio de Janeiro quente e lindo pela frente, e uma menina adoecida e louca para passear. Nada de melhorar. Duas idas ao médico. Antibiótico, corticoide, analgésicos. Tosse piorada, seca, alta, desesperada. A garganta não aguentava mais tossir. Eis que surge a questão: e se essa tosse for alérgica? Antialérgico. Começou a fazer efeito!
Após 10 dias doente, passados Natal, viagem e Ano Novo, enfim começo a melhorar. Hoje minha garganta está machucada, a voz ainda sai rouca, e o que mais me incomoda é uma dor que nunca achei que fosse sentir na vida: uma distensão do músculo abdominal, provocada por tosse forte. Já viram isso? Estiramento de músculo de tanto tossir! Foi um fim de Ano bastante conturbado. Mesmo assim, pude ver a família. Meu irmão de Floripa, João, veio celebrar conosco. Passei Natal com a família do namorado e depois com a minha mãe. Ano Novo passei com os meus dois irmãos.

Sobre a minha viagem... Gostaria de ter feito mais. Ter ido ao Jardim Botânico, Bondinho, praia. Mas minha saúde frágil não permitiu. Ao menos pude tomar deliciosos cafés na Starbucks, os quais não consigo compreender por que ainda não vieram para Brasília, passear no Botafogo Praia Shopping, um Shopping de escadas com uma série de coisas bonitas, passear no Shopping RioSul, conhecer o famoso Museu do Amanhã (cuja fila de duas horas de espera não compensa a belíssima exposição), passear pelo Shopping da Tijuca, ver os amigos Lucas e MareLINDA, assistir Star Wars (que eu adorei!) e claro, estar em companhia do meu digníssimo namorido, que esteve firme e forte ao meu lado, me acompanhando onde foi possível e saindo às 2 da manhã na rua atrás de um xarope antitussígeno que freasse minha tosse alucinada e me deixasse dormir em paz.

Almoçando no PraiaShopping
Fui à praia de Ipanema, mas nem pus os pés na água T_T

Pergunto-me: por que fiquei tão doente? Um ano de hábitos saudáveis e pouco ou nenhum episódio de enfermidades, e chegando ao fim, adoeço. Como disse a minha psicóloga uma vez, "é o meu corpo me obrigando a descansar". Sei que algumas vezes "forcei a barra", sabendo que eu estava cansada demais e mesmo assim me obrigando a fazer as coisas. Todos nós temos um limite, mas é difícil saber quando chegamos a ele. Tem gente que "psicossomatiza", tem gente que surta, tem gente que adoece. Eu peguei uma baita tosse! Mas enfim, está passando, e vai passar.
Isso me fez pensar um pouco sobre as coisas que tenho feito, para onde tenho direcionado as minhas energias. Decidi que devo mudar um pouco as direções, tentar algumas coisas, resgatar outras. É necessário nos permitir momentos de descanso e de prazer. Quando fazemos coisas que gostamos, também descansamos, espairecemos. Por isso também fiz minhas reflexões das coisas que me acalmam e me enaltecem, num devaneio anterior. Sugiro de coração a todos, que também o façam.

A mim mesma, prometo que 2016 será melhor nesse sentido.

Fico lisonjeada de receber visitas em meio a meus devaneios aleatórios. Desejo a todos um excelente ano, que tenha rumos melhores para a política e a economia do Brasil, como também para paz mundial. Que 2016 seja benéfico e favorável para a realização dos planos e das surpresas de todos.

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa:
"Navegar é preciso; viver não é preciso".

Quero para mim o espírito [d]esta frase,
transformada a forma para a casar como eu sou:

Viver não é necessário; o que é necessário é criar.
Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.
Só quero torná-la grande,
ainda que para isso tenha de ser o meu corpo
e a (minha alma) a lenha desse fogo.

Só quero torná-la de toda a humanidade;
ainda que para isso tenha de a perder como minha.
Cada vez mais assim penso.

Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue
o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir
para a evolução da humanidade.

É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.
(Fernando Pessoa - Navegar é Preciso)


Nenhum comentário: